Categoria: Filosofia do Yoga

Deva Premal canta Gayatri Mantra

Deva Premal e Miten são uma das mais conhecidas vozes dentro do canto devocional. A voz de Deva Premal, de rara beleza, tem o  dom de acalmar aqueles que a escutam.

Este mantra em especial, Gayatri Mantra, cantado por Deva Premal, nos conduz a um estado de paz e tranquilidade difícil de descrever. Experimente ouvi-lo, principalmente quando estiver muito tenso ou ansioso. Faz um bem…

Quanto ao Gayatri Mantra em si, há muito sobre ele na Internet. Na Wikipedia, existe algum material sobre ele. Este é um dos mantras mais famosos do hinduísmo e uma oração poderosa para quem a entoa.

Como todos os mantras, a repetição correta do som em sânscrito é tão essencial quanto entender o significado. Para este, esta recomendação é ainda mais importante.

Segue o Mantra e sua tradução segundo a escola de ensino Vedanta de Swami Dayananda:

om bhurbhuvah svah tatsaviturvarenyam

bhargo devasya dhimahi dhiyo yo nah pracodayat

Om , a base de tudo, terra, espaço intermédio e céu. Esse Om é aquele a ser reverênciado. Meditemos nesse Sol efulgente e omnisciente. Possa ele encaminhar as nossa mentes na direcção certa.

ACESSE WWW.ANATOLEDOYOGA.COM.BR

ESTE É O NOVO ENDEREÇO DE NOSSO BLOG!

Sita Sings the Blues

O Ramayana narra a história do príncipe Ramauma das encarnações de Vishnu – e sua esposa Sita.  Esta história, juntamente com o Mahabharata, são os dois mais importantes épicos da tradição indiana. Esses épicos não são simples histórias, mas apresentam aspectos importantes da tradição e pensamento hindus. As  figuras de Rama, Sita, Hanuman, Ravana, etc.  são partes fundamentais da cultura e essência indianas.

A americana Nina Paley, autora desta premiada animação de 2008,  mescla à narrativa inspirada no épico, sua própria história, sua separação e sua vida em São Francisco.

Para aquele que não conhece o Ramayana, é importante lembrar que ela usa somente determinadas situações e personagens deste maravilhoso épico e ainda os submete à ótica feminista ocidental. Então, não espere ver um retrato fiel da história, mas uma livre interpretação.

Em seu site, estão disponibilizadas várias versões do filme para download grátis. Como a autora diz: “Da cultura comum a história veio, e para lá voltará.” Mesmo que não entenda o inglês do filme, confira a criativa animação e as músicas…

Campeonatos estão de acordo com a filosofia do Yoga?

Bikram Yoga Championship

Na semana passada, foi divulgada no Jornal The New York Times uma notícia no mínimo curiosa. Aconteceu em vários estados americanos, promovido por Bikram Choudhury – criador da modalidade Bikram Yoga (Hot Yoga)– um campeonato de yoga. Cada participante deveria executar uma série pré-determinada de elevado grau de dificuldade. Houve uma votação e os “melhores (!?)” foram premiados. Bikram Choudhury e sua esposa pretendem, a partir desta iniciativa, levar o Yoga para os Jogos Olímpicos.

As reações dentro da comunidade iogue americana foram variadas, mas a maioria se disse incomodada com esta posição de Bikram Choudhury. Embora a divulgação do Yoga possa ser imensa pela sua inclusão nos Jogos Olímpicos, não devemos esquecer que Yoga não é sinônimo de prática física e que não é reservado somente aos mais flexíveis. Classificar as pessoas como melhores iogues pela sua execução de asanas somente é algo que contradiz todos os textos antigos. A prática física é uma parte dentro do mundo do Yoga como estamos vendo nos Yoga Sutras de Patanjali. Fazer divulgação somente deste aspecto da filosofia pode afastar a grande maioria das pessoas ao invés de aproximá-las.

Não precisamos ir muito longe para ver como este assunto é delicado e deve ser analisado com critério. É bastante comum, em todas as modalidades de Yoga, guiar sempre os alunos para que se concentrem em sua prática e que não tentem compará-la com a dos seus vizinhos. Não causaria uma contradição dizer isso durante a aula e, ao fim da prática, incentivar os “melhores” a participarem de uma competição?

Mais uma demonstração da inevitável e, às vezes, polêmica interação de Ocidente e Oriente…não é a primeira e, certamente, não será a última.

Você acredita que  “Campeonatos estão de acordo com a filosofia do Yoga?

Veja aqui a opinião das pessoas sobre este assunto…

Sobre Patanjali – Parte IV

patanjali
Patanjali

Continuando nosso breve estudo sobre os Yoga Sutras de Patanjali, em Sobre Patanajali – Parte III, começamos a ver os yamas por ahimsa, ou não-violência.

O segundo deles é satya que é a verdade, a sinceridade e a honestidade. Proceder conforme sua consciência, agindo sempre de boa-fé.

O seguinte pilar é asteya, que significa ausência de desejo, não-roubar, não-cobiçar. É tomar para si somente o que lhe pertence, sem desejar mais do que lhe cabe.

O quarto é brahmacarya, isto é, continência ou castidade. Há muita confusão sobre este aspecto, pois a primeira ideia que vem à cabeça é de termos que nos tornar monges celibatários. O conceito de brahmacarya não quer dizer abstenção de contato sexual. Na verdade, ele pressupõe um direcionamento cuidadoso de toda energia criativa que existe dentro de nós. Não é dispersar toda nossa expressão criativa indiscriminadamente, mas cuidar para que ela seja canalizada e concentrada para objetivos outros que não somente o desfrute sensorial.

O último yama é aparigraha. Este conceito significa uma perseverância na austeridade, libertação de excessos. É viver sem possessões excedentes e de acordo com o que a vida lhe oferece naturalmente, adaptando-se sem resistência. Outro lado deste conceito é aplicar aos pensamentos esta mesma falta de rigidez, a não possessividade também em relação a eles. Sendo bastante sutil, deve ser trabalhado continuamente como uma forma de alcançar o conhecimento puro.

No próximo post, niyamas

Chocolate e boas intenções

Chocolates e boas intenções
Chocolates e boas intenções

Outro dia no Light Drops no Twitter recebi a indicação deste site.

O “Intentional Chocolate” é uma loja que, além de vender chocolates muito, muito gostosos, conforme os depoimentos que li, os infunde sempre com uma vibração positiva e boas intenções através do canto de mantras e meditações feitos durante sua confeccção.

Fiquei pensando, então, como seria bom se todos colocássemos como prioridade desenvolver uma análise mais aguda sobre  as verdadeiras intenções que se escondem por trás das nossas ações, pensamentos e escolhas…

Alguns podem achar engraçada a ideia dos chocolates, mas, depois da própria física quântica afirmar que o simples fato de observar um fenômeno já o influencia, esta interferência sutil das nossas intenções e o efeito delas sobre nossas ações no mundo deveriam ser considerados com maior cuidado e menor ceticismo.

Pessoalmente, entendo o conjunto de tudo isso como o auto-estudo – svadhyaya – que buscamos desenvolver no caminho do yoga visto de outra forma.

E, convenhamos, a ideia é muito original mesmo. Saborear um chocolate delicioso e ainda receber um banho de bons fluidos…tudo de bom!

Aliás, aproveito para deixar aqui uma intenção positiva super especial…minha filha completa 14 anos hoje e este post é totalmente dedicado a ela, para que tenha uma vida plena e feliz…e cheia de muito, muito chocolate…do jeito que ela adora!

Somos o que nossos pensamentos fizeram de nós. Portanto, tome cuidado com o que você pensa.

As palavras são secundárias. Os pensamentos vivem; eles viajam longe.”

Swami Vivekananda

Iyengar Yoga é somente uma prática física?

Minha amiga e professora de Iyengar Yoga, Marcia Barros, me enviou este vídeo. Perguntei logo se poderia dividi-lo com vcs aqui por achá-lo uma joia.

Trata-se de uma entrevista curtinha com BKS Iyengar onde ele fala sobre a prática do Yoga de maneira franca e aberta. E ele coloca um ponto muito importante: quando a saúde não está presente no corpo, como se pode pensar em filosofia? Guruji disse ainda que levou 6 anos para conquistar a sua saúde e que, inicialmente, sua prática era somente ao nível físico.

Ouça Guruji e entenda um pouco mais a filosofia por trás da prática de Iyengar Yoga.